História das Raças – Spitz Alemão Anão
» » História das Raças – Spitz Alemão Anão

História das Raças – Spitz Alemão Anão

A família Spitz é composta de cinco tipos de cachorros que se distinguem pelo porte. Entre eles, o mais famoso é o menor de todos: o Lulu da Pomerânia. Também conhecido como Spitz Alemão Anão, esse tipo de cão tinha a função de guardar, caçar e arrastar os trenós dos nômades quando eram grandes. A raça evoluiu de formas diferentes quando se espalhou pela Europa, ganhando características e nomenclatura pertencentes a cada território que fizeram parte.

Apesar da sua origem não ser definida, a Alemanha foi o local de maior probabilidade do surgimento da raça. O Lulu da Pomerânia pode ser chamado assim após a sua chegada na Inglaterra. Foi reconhecido em 1870 pela English Kennel Club – uma organização que registra os dados de todas as raças, tendo sedes por todo o mundo – quando a Rainha Vitória o tornou um de seus animais de estimação quando voltou da Itália.

Dócil, brincalhão e agitado, o Lulu costuma ser amigável e companheiro de seus donos. Mas, em relação aos estranhos, pode ser receoso e distante. Por ser inteligente, é fácil ensinar qualquer coisa a ele. É interessante estimulá-lo com brinquedos e brincadeiras que demandem energia, pois costuma ser muito agitado. Dono de personalidade forte e marcante, pode brigar com animais maiores e ser considerado esnobe em alguns momentos.

Forte, possui musculatura, apesar do porte, resistente e bem definida. As orelhas são triangulares e eretas, o focinho é fino e a cauda é volumosa. O pelo é curto na parte frontal das pernas, orelhas e nas patas. A pelagem é longa e pode ter uma mistura de cores: preto, marrom, banco, laranja e cinza.

É ativo e precisa fazer exercícios, mas também se satisfaz com brincadeiras dentro de casa e passeios curtos. É pequeno demais para viver fora de casa e, apesar da grande quantidade de pelo, precisa ser agasalhado. O ideal é que a pelagem seja escovada duas vezes por semana e a troca acontece duas vezes ao ano. A tosa é recomendada por higiene nas patas e nas regiões íntimas.

Saudável, tem muita saúde e raramente ficam doentes. No entanto, possui algumas doenças comuns para raças pequenas, como luxação de patela, necrose asséptica da cabeça do fêmur e, não frequentemente, possui problemas na coluna. O tratamento pode ser cirúrgico e fisioterápico.